logo

Você é demais

Obrigado por estar com a gente. Estamos trabalhando duro para abençoar sua vida. E queremos muito te ouvir, você pode falar conosco através dos canais abaixo.

Instagram

0
  • No products in the cart.
0
  • No products in the cart.

Graça Tag

Pedra Angular Brasil > Posts tagged "Graça"

O que quero conversar hoje é sobre o que o evangelho diz para nós, homens conforme a graça e não conforme a lei. Esta verdade bíblica que tão poucos aceitam, e menos ainda que vivem conforme ela. O estudo segue sobre o que a bíblia diz dos judeus (povo que teria sido escolhido como povo de Deus), e os não judeus (o resto do povo) conforme a descendência de Abraão, a quem Deus fez esta promessa. Que descendência é essa, porque é verdadeira, e porque ela vale para todos nós. Graça e Fé, e não razão sobre a lei. Esse é o evangelho de Cristo.

Mas do que demonstrar qual é o evangelho de Cristo, queremos chamar a verdade em Cristo para aqueles cristãos que estão a margem, e são convidados a estarem vivendo novamente debaixo da Graça de Deus.

Na verdade não existe outro evangelho, porém isto foi dito porque há algumas pessoas que perturbam por aí, querem mudar o evangelho de Cristo. Mas a bíblia diz que se alguém, mesmo que fossem os próprio apóstolos ou um anjo do céu, anunciasse um evangelho diferente daquele que foi anunciado, que seja anátema, ou amaldiçoado! Por acaso procuramos a aprovação das pessoas? Não! O que eu quero é a aprovação de Deus. Será que agora estou querendo agradar as pessoas? Se estivesse, eu não seria servo de Cristo.

livre-arbítrio

Eu reli o texto abaixo, e achei que ia descordar por conta do tema: livre-arbítrio como um mito. Depois que o reli, tenho certeza de que quando postei, não tinha idéia sobre a profundidade do texto e do tema livre-arbítrio. Portanto, leia você também, e chegue as conclusões, e principalmente, sobre a ciência dos fatos a respeito da sua vontade, e quem reina sobre sua vontade, para então entender o seu livre-arbítrio. Boa leitura, daqui em diante segue a primeira postagem:

A saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação. (Romanos 10:9-10)

Com um novo coração que vem de Deus, mas com a confissão pela boca, que vem de nossa atitude.

Apesar de não ter encontrado a fonte original, encontrei o artigo com títulos como “O mito do Livre-Arbítrio” ou “Livre-Arbítrio – O mito”. Por não saber qual o título original, me dou a liberdade de colocar o título que concordo: “Os mitos do Livre-Arbítrio”.

O texto diz ao final:
“Quando Lázaro ressuscitou da morte ele decidiu responder à chamada de Cristo, mas não pôde decidir ter vida.

A fé é o primeiro ato de uma vontade tornada nova pelo Santo Espírito. Receber a Cristo é um ato tão humano quanto a respiração, mas é necessário primeiro que Deus tenha concedido vida. ”

Isso é o que sempre costumo dizer, apesar do texto tratar como uma decisão de resposta, ela determina porque a Graça é para todos, mas a Salvação para muitos.
Apesar disso para mim fazer discordância sobre o termo “mito”, e somente neste exato contexto, o resto (tudo que costumamos aplicar ao livre-arbítrio), para mim, é como o texto diz, parabéns ao autor.

Boa leitura. Em Cristo, Ricardo

por Walter J. Chantry

A maioria das pessoas diz que acredita no “livre arbítrio”. Você tem alguma idéia do que isso significa? Creio que existe uma boa dose de superstição sobre este assunto. A vontade é exaltada como a grandiosa capacidade da alma humana que é completamente livre para dirigir nossas vidas. Mas, do que ela é livre? E de que ela é capaz?

Meditação sobre a parábola dos trabalhadores na vinha ( Mateus cap. 20 versos 1 ao 16 )

“Porque o reino dos céus é semelhante a um dono de casa que saiu de madrugada para assalariar trabalhadores para a sua vinha.” (Mt. 20:1)
“Mas, tendo-o recebido, murmuravam contra o dono da casa, dizendo: Estes últimos trabalharam apenas uma hora, contudo, os igualaste a nós, que suportamos a fadiga e o calor do dia”(Mt. 20:11-12)

Queridos, aqui continuamos falando sobre a injusta justiça de Deus e lemos uma parábola que é muito questionada e polêmica, na verdade, um absurdo para os homens justos desta terra.

Dizem que algo é senso comum, e este algo é: Deus é misericordioso, mas justo, nem para todos.

“Do pecado, porque não crêem em mim; da justiça, porque vou para o Pai, e não me vereis mais; do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado.” (João 16:9-11)
“O julgamento é este: que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz; porque as suas obras eram más.” (João 3:19)

Visto assim, ainda bem que o senso comum é de que Deus é misericordioso, porque a misericórdia está acima da justiça assim como o Senhor está acima de seu servo, ou como Deus está acima de nós homens. A misericórdia de Deus demonstra o amor maravilhoso que tem por nós e que não conseguimos entender. O homem erra e peca, e continua pecando quando procura um culpado para as consequências de seus erros, e a única coisa que sabe é olhar para o lado e apontar um culpado, e quando não consegue, tenta olhar para cima e culpar Deus, agora me pergunto, porque não se olha no espelho e encontra o culpado?

Pecamos, como nossos pais; cometemos iniquidade, procedemos mal. Nossos Pais, no Egito, não atentaram às tuas maravilhas; não se lembraram da multidão das tuas misericórdias e foram rebeldes junto ao mar, o mar Vermelho.” (Salmos 106 : 6-7)

Quão gloriosa é a palavra de nosso Deus. Amados, erramos verdadeiramente porque desconhecemos o poder e a palavra de Deus. Pois quando lemos, meditamos nesta palavra, e deixamos o Espírito Santo nos ensinar, crescemos de graça em graça até alcançar a estatura de varão perfeito.

Um assunto que o Senhor tem falado ao meu coração e que ao procurar reparar, tenho visto em todos os cantos, inclusive muitas vezes em minha própria vida, é o julgamento, as acusações que o homem faz contra os outros, seja vizinho, pai, mãe, chefe, empregada, amigos, seja ao próprio Deus.

Aliás, pecamos contra Deus ao julgá-lo como culpado pelo mau que existe na vida e no mundo, e pecamos outra vez quando mistificamos Deus, quando moldamos conforme nossa idéia e entendimento, com a desculpa de que é a única maneira de aceitar a um Deus justo. É então que surgem tantas doutrinas e os entendimentos próprio.

Mas queridos, vejamos o que nos diz as escrituras sagradas.

Você me ama?

Ana Militão

Um dia, levantei-me de manhã cedo para assistir o nascer do sol. A beleza da criação divina estava além de qualquer descrição. Enquanto eu assistia, louvei a Deus pelo Seu belo trabalho. Sentado lá, senti a presença de Deus comigo. Ele me perguntou: você me ama? Eu respondi: é claro, Deus! Você é meu Senhor e Salvador!

Então Ele perguntou: se você tivesse alguma dificuldade física, ainda assim Me amaria?

Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samária, e até os confins da terra (At 1:8).”

Foi assim que Cristo se despediu de seus discípulos, deixando uma promessa.

Hoje, dois mil anos depois, continuamos recebendo promessas da parte de Deus a respeito de ministério, vida sentimental, familiar, financeira, ou até mesmo do batismo no Espírito Santo. Assim como Cristo prometeu aos seus discípulos, assim tem feito conosco, cristãos.

“Queridos, saiu no seguinte site Zenit a explicação de que isto não é uma publicação do vaticano e sim a opinião do bispo citado abaixo, segue o link para íntegra:
http://www.zenit.org/article-17840?l=portuguese
De qualquer maneira, o artigo continua, visto que abrange muito mais do que simplesmente os novos pecados, como a questão do pecado capital, os sacramentos, etc. Lembrem-se que foi escrito antes do esclarecimento. Abraços.”

Nesta semana, os jornais começaram a anunciar a lista dos novos pecados capitais divulgados pelo Vaticano. Após perceberem que os sete pecados capitais estavam ficando comuns demais, foi apresentada novos motivos de condenação pela Santa Sé. A pretensão do Vaticano é que era necessário adaptar esta lista à nova realidade global.