3 Flares Facebook 0 Google+ 0 Twitter 3 Email -- 3 Flares ×

E ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres e ainda que entregue o meu próprio corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada disso me aproveitará.” (1 Coríntios 13:3)

Amados, o título deste texto, é uma das máximas do Espiritismo segundo Allan Kardec. Esta, como muitas outras doutrinas, tem o intuito de racionalizar e trazer para o campo da filosofia, aquilo que é religioso, aquilo que é de Deus, e que somente nos é revelado conforme o Senhor nos permita entender, conforme inspiração e esclarecimento do seu Espírito Santo. Mas enfim, é claro que o assunto salvação não é uma filosofia.

A doutrina espírita declara ser firmada num tripé, e seriam cada um destes a ciência, filosofia e religião. Quanto a parte religiosa, declara ser Cristã, seguindo os ensinamentos do “mestre”, porém consertando o que Ele disse com a ajuda dos espíritos, declarando que as pessoas naquela época não tinham o devido avanço intelectual para entender o que verdadeiramente Ele queria dizer, por isto a utilização de parábolas.

Engraçado isso, porque a parábola não é uma maneira de complicar, e sim de facilitar, utilizando as questões da época para explicar aquilo proposto. Hoje sim, dificulta para nós entender as parábolas por não entender muito bem como as coisas funcionavam naquele tempo. Na verdade, o que os espíritas não entendem, é o mesmo que Nicodemos. Mas abordaremos isso mais a frente.

Agora que já demos uma breve explanação sobre a base que sustenta a doutrina espírita, vamos entender o seu grande jargão, e ver se é realmente cristão ou não, ou seja, será que realmente fora da caridade não há salvação?

E para entender isso, nada melhor do que ir a fonte, ir ao local onde ouvimos falar de salvação, e este lugar é a bíblia! No versículo citado acima, vemos o que Paulo escreve em sua primeira epístola aos Coríntios a respeito dos dons divinos, o que buscar, o que cultivar. E o interessante é que neste capítulo, fica mais do que claro que o dom supremo é o amor. Esta palavra, em algumas versões aparece como caridade, mas usemos a tradução que é mais fidedigna ao que entendemos, e o amor significa o sentimento puro, o amor que Deus tem por nós. Gostar é quando temos simpatia, gostamos de desfrutar algo juntos, e caridade significa o sentimento de doar algo a alguém que precisa de algo, está ligado a necessidade, e não ao sentimento que deve fluir e acontecer naturalmente entre os homens, independente da necessidade.

E Paulo fala que ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres (caridade), ou seja, se eu ajudar no sinaleiro alguém que necessita, se eu levar comida aqueles que necessitam, se eu vender minha casa, meu apartamento, meus carros, minhas fazendas, tudo, e der aqueles que precisam, sem amor, não adiantaria. Ainda que eu o meu próprio corpo, ou seja, me de a quem precisa (caridade), doar de mim próprio, ir a um asilo, uma creche, trabalhar em assistências sociais, ou o cúmulo de entregar meu corpo para ser queimado, sem amor, nada disso me aproveitaria.

Paulo diz aqui, que sem amor, não há salvação, e não sem caridade. Pois quando falamos em salvação ou reino de Deus, falamos quando estivermos em meio a presença de Deus, onde tudo é perfeito e nada é em parte. E quando chegamos a este ponto, nos resta a fé, a esperança e o amor. Não pode ser caridade, pois se estamos em meio as coisas perfeitas, não há necessidade nem caridade, mas há amor, porque Deus é amor, e destes três, o maior é o amor (1 Coríntios 13: 13).

Só aqui já é o suficiente para entendermos que não é pela caridade que há alguma salvação. Na verdade, eu nem entendo como essa é uma máxima do espiritismo, visto que não acreditam em salvação mas sim em evolução, mas tudo bem. Digamos que alguém diga, mas você veio falar de Paulo e não de Jesus Cristo. Meu querido, a palavra de Deus é uma só, Cristo jamais negou as escrituras ou os profetas, Ele jamais questionou a inspiração de Deus transformando os escritos em escrituras sagradas. Mas não tem problema, falemos pois de Jesus.

E então eu quero abordar aquela conversa com Nicodemos. Este homem era fariseu, um dos principais dos judeus, homem da lei. E em uma determinada noite, Jesus diz a este homem que se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus (João 3 : 3), ao que ele prontamente respondeu: Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, voltar ao ventre materno e nascer segunda vez? (verso 4)

Aqui é interessante, porque este é um dos argumento da chamada reencarnação, caminho natural para evolução do homem, a qual Kardec quis fazer um paralelo com o que a bíblia chama de salvação. E a interpretação para as escrituras, com o auxílios dos espíritos seria de que Nicodemos ainda era um homem com um avanço intelectual muito a desejar, não para a época, mas para o que se teria em meados de 1800. E a explicação para isto seria de que um homem não tem que voltar a barriga da mãe, entrando por algum lugar, mas sim morrendo e nascendo novamente em outro corpo. Daí surge o slogan do espiritismo: “Nascer, morrer, renascer, ainda, e progredir sempre, tal é a lei.

Mas observe que isso não responde a pergunta de Nicodemos. Ele pergunta como pode um homem nascer novamente, sendo velho? Mas Jesus responde!

Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus.” (verso 5)

Esta foi a resposta de Jesus, Como nascer de novo um homem velho? Simples. Nascendo da água e do Espírito. Ou seja, não tem nada haver com a idade que tem, com a formação corporal que tem e se encontra, mas se você ainda tem dúvida e acha que é nascer da carne, do corpo, Jesus continua:

O que é nascido da carne é carne; e o que é nascido do Espírito é espirito.” (verso 6)

Amados, aqui não há dúvida, ficou bem claro que não é um renascimento corporal, seja no mesmo corpo ou em outro, mas é um renascimento do espírito, e como o espírito renasce? Através da água e do Espírito, e veja que é com E maiúsculo.

Veja bem, você não precisa olhar para uma água, um copo de água, para o mar, e tentar entender o que simboliza a água, não. Você só precisa continuar lendo o que já estava lendo, as escrituras sagradas. Aqui tem tudo, é totalmente completo, é a palavra de Deus.

Nicodemos continua arguindo o mestre, como isso pode acontecer? Ele é claro, responde mais uma vez:

E de modo por que Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado, para que todo o que nele crê não pereça mas tenha vida eterna.” (versos 14 e 15)

Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (verso 16)

O que Jesus está nos dizendo? Que o único caminho é através dEle, e querer tipificar Jesus como simbolo de caridade e bondade, não sintetiza em um o caminho, pois várias pessoas podem nem ouvir falar de Jesus e contudo procurar a bondade e a caridade. Jesus nos fala que é através dEle que ganharemos a salvação, e como isto acontece? Pela água e pelo Espírito. Mas como assim esse papo de água e Espírito?

Eu não o conhecia; aquele, porém, que me enviou a batizar com água me disse: Aquele sobre quem vires descer e pousar o Espírito, esse é o que batiza com o Espírito Santo.

Aqui então vamos começar a entender o que é isso. João Batista foi enviado por Deus como precursor do Cristo, e batiza com o que? Água! Para que? Para arrependimento dos pecados, um pré-requisito para o batismo do Espírito. Porém João Batista não podia perdoar pecado de ninguém, poderia ser simplesmente testemunha de confissão de pecados. Mas eis que veio o Cristo, aquele que batiza com o Espírito Santo. Este sim perdoa pecados, e por isso batiza com o Espírito, pois o Espírito de Deus é Santo, e não pode coabitar com o pecado, por isso, primeiro os pecados perdoados, e depois o batismo no Espírito.

Em síntese, era isso que Jesus dizia a Nicodemos. Que o mundo pecou desde Adão, e em pecado, não há comunhão com o Pai. Mas Ele veio para ensinar-nos a usar a ferramenta espiritual que iria gerar posteriormente, que é a posse da remissão dos pecados através da crença em Jesus, como autoridade para tirar os pecados, através da obra realizada na Cruz, onde tomou sobre si todos os pecados do mundo. Ele foi fiador por todos. Ele aguentou as dores de todos, e por isso, Ele pode sim, remir os pecados, através de sua obra de sacrifício. Ele, que era perfeito e puro, sem pecados, pagou portanto pela consequência dos pecados, dos outros, de mim, e de você.

O batismo com água significa reconhecer-se publicamente como pecador, e se arrepender de seus pecados. Aceitar a Jesus como aquele que tira os pecados do mundo, do homem. Após aceitar e confirmar Jesus como Salvador, agora já sem multidão de pecados, vem sobre nós o Espírito Santo de Deus automaticamente, visto que habita onde não há pecado, por isso o batismo com o Espírito, é o selo de confirmação dos céus que os seus pecados realmente foram perdoados.

E é aí que alcançamos o Reino dos Céus, pois passamos a ter em nós o que há de mais divino, o Espírito Santo. Este, por ser santo, tem nojo do pecado, e é amor por excelência. Por isso Ele pode transformar qualquer vida. A pessoa renasce do espírito através do Espírito de Deus. Um novo nascimento, junto com aquele que venceu a morte e o pecado!

Pode parecer complicado, mas é simples. Prova de que realmente é dessa maneira e não do renascimento do corpo, Jesus confirma o que disse cá no começo da sua obra, na hora da consumação:

Nem ao menos temes a Deus, estando sob igual sentença?” (Lucas 23: 40)
e ainda:
E acrescentou: Jesus, lembra-te de mim quando vieres no teu reino.” (Lucas 23 : 42)

O que temos aqui? Um malfeitor, que agia contra o seu próximo. Com certeza errou contra o seu próximo, extorquiu, roubou, matou, prejudicou o seu próximo, algo totalmente contrário a caridade. Mas o que este homem fez? Ele reconheceu em meio aquela multidão que os assistia que Jesus era Deus, que Ele tinha a autoridade para conceder-lhe o reino dos Céus, a salvação. E o que Jesus fez?

“Jesus lhes respondeu: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso.” (Lucas 23 : 43)

Lhe deu a salvação. Naquele momento Jesus levou sobre si os pecados do mundo, inclusive daquele malfeitor. Por isso ele recebeu a salvação, porque ele já aceitou naquele momento a obra de Deus. Já tomou posse.

O outro ainda teve sua chance alguns momentos depois:

“Em verdade, em verdade vos digo que vem a hora e já chegou, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus; e os que a ouvirem viverão.” (João 5 : 25)

E isto aconteceu, tanto para os mortos na carne, como no espírito, pois Jesus só ressuscitou ao terceiro dia, pois passou estes dias no inferno, pregando aos que já haviam morrido, para que houvesse justiça de Deus, havendo salvação tanto para os que existiram na terra antes de Cristo, como os que vieram e virão a existir depois.

Amados, esta é a palavra de Jesus, em muitos momentos deste texto vimos o que Ele próprio disse com sua boca, para que não hajam desculpas de que era entendimento de outrem, para os que renegam a inspiração divina da bíblia. Agora chegou o seu momento, você é um Cristão que crê na palavra de Cristo, ou um Cristão que molda o seu entendimento de Cristo nos momentos que lhe apraz seu raciocínio e inteligência?

Acaso poderia dizer-se evangélico alguém que só aceita algumas questões da religião evangélica? Não. Da mesma maneira ninguém pode dizer-se Cristão, aceitando somente algumas partes de Jesus e sua palavra.

Lembre-se, não é pelo entender, mas é pelo crer, pela fé que aceitamos a Jesus e recebemos nossa salvação. O que Jesus disse a Nicodemos hoje também serve para você:

Tu és mestre em Israel e não compreendes estas coisas? Se, tratando de coisas terrenas, não me credes, como crereis, se vos falar das celestiais?” (João 3 : 10,12)

Se você tem dúvida neste assunto, ou gostaria de viver esta palavra de maneira viva e real, um novo homem, uma nova criatura, um novo espírito, sem ter que voltar ao ventre de sua mãe ou a outro corpo, outro ventre, aceitar Jesus como seu Senhor e suficiente Salvador, para não ser julgado por obras, mas salvo mediante a fé pela graça de Deus, nos escreva um e-mail. Teremos o maior prazer em ajudá-lo, assim como um dia, Deus levantou alguém para nos ajudar.

Ricardo de Magalhães Cruz ( 27 de novembro de 2008 )
[email protected]

Texto bíblico: João Ferreira Almeida – Revista e Atualizada 1993