logo

Você é demais

Obrigado por estar com a gente. Estamos trabalhando duro para abençoar sua vida. E queremos muito te ouvir, você pode falar conosco através dos canais abaixo.

Instagram

0
  • No products in the cart.
0
  • No products in the cart.

Reflexões

Pedra Angular Brasil > Reflexões (Page 5)

Por Rev. Enoc Teixeira Wenceslau

Mateus 10.24/25; Lucas 14.26/27; João 6.56/69

Discípulo é aquele que aprende e segue os ensinamentos do seu mestre. Além dos doze, houve muitos seguidores ocasionais de Jesus. Uns, sinceros para serví-Lo, outros, por mero interesse material, como infelizmente ainda hoje acontece nas igrejas.Nos textos em referência, Jesus mostra aos Seus seguidores o que na realidade significa ser Seu discípulo. Não basta conhecê-Lo, é preciso ter compromisso com Ele; não basta  seguí-Lo, é necessário imitá-Lo; não basta reconhecê-Lo como Mestre, é preciso  estar disposto a renunciar muitas coisas por amor a Ele,  ser-Lhe obediente e submisso. Não basta cultuá-Lo, é preciso ter comunhão com Ele. Numa comunhão mística envolvendo a crença de que Ele é uma Pessoa real, que está conosco, e em nós:  “… Cristo em vós, a esperança da glória”…(Colossenses .1:27).

“Leais são as feridas feitas pelo amigo, mas os beijos do inimigo são enganosos.”
(Provérbios 27:6)

Primeiro refletimos sobre a ação de uma verdadeira amizade baseada na palavra de Deus em nossa vida. Muitas vezes são como o pensamento de Deus para nós. Não tem foco no prazer ou refrigério momentâneo, mas na verdadeira ação da santificação em nós. E muitas vezes, isto significa dizer abrir mão, significa ser tratado, ou seja, abrir as feridas para que sejam tratadas. Muitas vezes dói, mas é leal. Porque amigos devem ser leais uns para com os outros. Ainda não perfeita como nossa relação com Deus e de Deus conosco. Acima de leal, Deus nos é Fiel, e devemos ser também fiéis a Ele.

Artigo de Vinicius O. S. Guimarães*

Nós somos os culpados pela igreja ser o que é hoje…

“Apartarão os ouvidos da verdade e se atirarão às fábulas” – II Timóteo 4:4

Há algum tempo tenho tentado não escrever sobre as aberrações evangélicas optando em me resguardar nos recônditos da oração e da esperança de que Deus em tempo oportuno venha intervir nesta realidade. Para tanto tenho evitado ouvir rádios gospel e principalmente programas televisivos de caráter evangélicos. Todavia, não posso negligenciar e nem fingir não perceber a “boacumba” nos cultos, e não escrever combatendo tais atrocidades é no mínimo me colocar na condição de consentimento, o que indubitavelmente me torna participante da degradação eclesiástica. Portanto, impulsionado pela tentativa de acreditar na Igreja de Jesus Cristo e confrontado pela frase de Edmund Burke: “para que o mal triunfe, basta que os bons não façam nada”, é que escrevo este artigo apologético.

Por Bruno Lima

Existe uma testemunha ocular, também no caso da menina Isabella Nardoni. Existe Um que viu tudo, viu o momento em que o assassino agredia a criança no interior daquele apartamento. Ele viu o momento em que o assassino jogou aquela criança pela janela daquele prédio. Ele viu o momento em que o autor do crime fugia da cena do crime. Ele viu quando o autor, ou autores do crime, despistava com relação aos vestígios que poderia deixar. Ele presenciou tudo o que aconteceu no interior daquele prédio. Ele sabe quem está e quem não está mentindo. Ele sabe até o desejo de cada pessoa com relação ao autor, ou autores, do brutal assassinato.