logo

Você é demais

Obrigado por estar com a gente. Estamos trabalhando duro para abençoar sua vida. E queremos muito te ouvir, você pode falar conosco através dos canais abaixo.

Instagram

0
  • No products in the cart.
0
  • No products in the cart.

A origem do carnaval

Pedra Angular Brasil > Apologética  > A origem do carnaval

A origem do carnaval

0 Flares Facebook 0 Google+ 0 Twitter 0 Email -- 0 Flares ×

Para assombro de muitos, e inclusive o meu, quem criou o carnaval foi nada mais nada menos que a Igreja Católica Apostólica Romana. Mas como assim? Tudo começou no século VI, com a implantação da semana santa antecedida pela quaresma, determinada pelo papa Gregório I. A quaresma é um período de 40 dias que deveria ser cumprido por todo fiel, todos os anos, com objetivo de lembrar os 40 dias que Jesus passou no deserto consagrando-se. Esse período extende-se da quarta-feira de Cinzas até o domingo de Páscoa, na qual deveriam praticar o à austeridade e o jejum, ficando proibido comer carne. Ou seja, para clariar, a palavra “carnaval” está, desse modo, relacionada com a idéia de “afastamento” dos prazeres da carne marcado pela expressão italiana carne vale ou carnevale, que, acabou por formar a palavra “carnaval”. Outro ponto interessante a destacar é que, já que foi criado pela igreja católica, os únicos lugares em que se comemoraram o carnaval são justamente em países católicos.

Foi então que tudo começou. Para quem está acostumado a viver a torta e a direita tudo que esse mundo carnal oferece, passar 40 dias no sufoco não é mole! E olhe que era uma determinação aos fiéis, que em teoria, deveriam ser cristãos, mas na verdade, certamente religiosos. Surgiu em meio ao “ba fá fá” uma proposta que mais parecia uma condição: “ficamos este imenso tempo em abstinência carnal se for permitido que o povo antes, “extravazar as emoções”.

É interessante que este período deveria ser para se consagrar a Deus, ou seja, a luta contra as obras da carne (a saber: adultério, prostituição, impureza, lascívia, Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas (Gálatas 5 : 19-21) ) eram e são tão difícieis em nosso dia-a-dia, que passariam um período do ano se entregando ao Senhor Deus, buscando nEle a força necessaria, se refugiando nEle, e buscando a purificação e a santidade, que realmente é o caminho para estar na presença de Deus. Mas a grande idéia foi, se antes enfiávamos o pé na jaca, agora vamos é nos enfiar todos de uma vez, e então saciados até a última gota, com a mente, o coração, o corpo, a alma e o espírito totalmente carregados de tudo que a carne oferece, vamos nos consagrar a Deus. Isso é muito interessante, porque se pegarmos somente o “fator” mente, percebemos que os ditos fiéis passariam 40 dias pensando na”esbórnia” do carnaval e ao mesmo tempo, em santificação, em buscar saber a vontade do Pai, em entregar a sua carne, corpo, coração, mente, alma e espírito ao Senhor Deus. Preparação melhor não poderia haver não é mesmo, ainda mais se lembrarmos que Deus não habita com o pecado.

Mas o interessante é que os padres concordaram com a libertinagem, que foi oficialmente aprovada e ainda incentivada por alguns papas chegadas ao carnaval, ou seja, a festa do “adeus à carne”, como Paulo II e Paulo VI, respectivamente dos séculos XV e XVI. Li que se igreja católica não houvesse criado o período da quaresma, não haveria carnaval, mas eu acho mais oportuno dizer que se os líderes da referida instituição religiosa fossem menos religiosos e mais cristãos, ou pelo menos condizentes com a bíblia, não existiria carnaval.

“É necessário também saber que as folias do Carnaval estão ligadas às festas pagãs romanas, que eram calcadas em muita licenciosidade sexual, bebedeira, glutonaria, orgias coletivas e muita música…” hoje quanto homens e mulheres vão ao carnaval, em que pensam? “… Eram conhecidas como bacanais (em homenagem a Baco, o deus do vinho e da orgia), lupercais (em homenagem ao deus obsceno Pã, também chamado de Luperco), e saturnais (em homenagem ao deus saturno que, segundo a mitologia grega, devorou seus próprios filhos).”

É interessante como as pessoas participam das coisas, mas na verdade, não sabem a que realmente estão atreladas, a que estão servindo, mas quem está sendo servido sabe muito bem de seu propósito, a saber: tirar os homens da presença de Deus, lançar-los aos prazeres da carne, que foi o papel do inimigo representado pela cobra no início do pecado no mundo, quando lemos no livro de Gênesis.

O que deveria ser precedito desta dita quaresma, independente de ordem de homens que empossam cargos religiosos, mas a cargo do direcionamento do Senhor Deus através do Espírito Santo, instrumento divino pois é Deus, deixado para os homens, no que diz relação a consagração, seria passar por um período de alimentação.

Os religiosos da época de Cristo o interpelavam perguntando porquê seus discípulos não jejuavam, ao que Jesus lhes respondeu: “Podeis fazer jejuar os convidados para o casamento, enquanto está com eles o noivo?” (Lucas 5 : 24), ou seja, jejuamos depois que vivemos e conhecemos do noivo, da mesma maneira deveríamos antes nos alimentar da palavra. Como nos consagraremos a alguém se antes não o conhecemos? Se não nos enchemos de propósitos ligados a este? Como nos consagramos ao Deus do espírito, se para isso, nos enchemos do deus da carne? 

O resultado disso nós vemos ano após ano, desde as rodas de fofocas até noticiários. Temos mulheres grávidas que agora vão se consagrar a Deus, legal hein. Outros, de ressaca ou quem sabe de overdose, e então, se consagrarão ao Senhor. Outros, que outrora eram saudáveis, agora portadores de vírus HIV, se consagrarão ao Senhor. Alguns que antes eram vivos e tinha uma mente, um corpo, uma alma e um espírito para consagrem ao Senhor, agora não estão mais em nosso meio.

Queridos, se você é um religioso, é bom repensar o que significa estas “liturgias” para você, e para Deus. Se você é ou busca ser um cristão, creio que agora tem uma nova leitura a respeito do carnaval. Se você antes não estava nem aí para o que significa, o que acontece por trás desta festa animada, só queria saber de ir para Salvador, classificado pelo Guiness Book como o maior carnaval de rua do mundo, agora já sabe também que é o maior índice de tudo aquilo que você também não desejaria que te acontecesse, mas mais do que isso, espero que preocupe-se mais com o que teu Salvador tem reservado para ti, e que o Espírito de Deus tenha falado ao seu coração.

Que Deus gere em seu coração, em sua vida, e no que viverá neste próximo carnaval, atitudes e participações que gerem frutos do espírito: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei. (Gálatas 5 : 22-23)

Ricardo de Magalhães Cruz ( 14 de fevereiro de 2009 )
[email protected]

Referências: Texto Bíblico Almeida, Corrigida e Fiel, e Revista e Atualizada 
Revista Fiel – Ano V – N. 45
 Wikipédia

Ricardo Cruz
Ricardo Cruz

Discípulo de Jesus, andando nessa terra representando ele. Todos devemos estar aptos a ir pregar o evangelho, batizar nas águas, no Espírito Santo, curar enfermos, expulsar demônios, falar novas línguas e fazer novos discípulos ensinando-os a obedecer tudo que Jesus ensinou. Hoje o estilo de vida cristão está cada vez mais perto do que vemos no livro de Atos. É o que chamamos de Estilo de Vida Cristão normal. Você vai amar. Deixa o rio fluir.

12 Comments
  • Epaminondas
    Responder
    Posted at 13:16, 20 de fevereiro de 2009

    Ricardo boa tarde.

    Tá de parabéns por vários motivos, pela linda explanação, pela maneira sutil e direta pela qual vc conduziu este texto, e deixou ai bem claro pra quem quizer ler e entender , o que significa o Carnaval. Voce tá bem todos os sentidos, e principalmente porque está com Deus. Tudo de bom.
    Beijos.

  • felipe
    Responder
    Posted at 00:08, 3 de março de 2011

    Que texto horrível, hein?!

    E que fontes mais seguras? Uma revista evangélica e o Wikipedia? Que pobreza de argumentos!!!

    Posso ir então no wikipédia e encontrar diversos artigos dizendo maledicências de evangélicos.rssrrsr

    O melhor de estar como observador dessas picuinhas religiosas é ver o quanto seus dirigentes se importam com a verdade e como ela mudamconforme a conveniência dos seus argumentos.

    Amigo, o carnaval é relatado desde a Grécia antiga. É muito mais do que uma festa religiosa. É um fenômeno cultural. Tanto que em diversas sociedades há relatos de festas semelhantes e por variados motivos.

    Decorar trechos da Bíblia é bem útil para converter fiéis e incautos. Usar então os trechos do antigo testamento é melhor ainda. Vai lá de Jó, Ester, Salmos. Maravilha, para arrecadar a grana do pessoal estes textos são fantásticos.
    E melhor, sempre com um na ponta da língua se pode parecer um doutor.

    • pedraangular
      pedraangular
      Responder
      Posted at 10:54, 3 de março de 2011

      Felipe, um texto com fontes julgadas pobres talvez sejam melhores que comentários sem fontes.
      Nos dê fontes melhores e vamos aprofundar nisso! 🙂

      Pela linha do seu comentário, vi que falou falou e não disse nada. Imagino que na verdade só quis dizer sobre a bronca que você tem aí guardado. A Bíblia é fonte de vida para nós, e quando deixamos Deus trabalhar através dela em nossas vidas, somos curados naquilo que precisamos.

      Por fim, como imagino que não encontrou por aqui nada do que atacou, tenho a liberdade de continuar dizendo o que escrevo, pelos motivos que escrevo: a propagação da fé na graça de Deus através de Cristo Jesus.

      Que Deus nos abeçoe,

      Ricardo

      • Hugo Silveira
        Responder
        Posted at 00:21, 9 de maio de 2017

        De onde vem o Carnaval? Alguns, erroneamente dizem até que foi a Igreja Católica que o inventou; nada mais absurdo.

        Vários autores explicam o nome Carnaval, do latim “carne vale”, isto é, “adeus carne” ou “despedida da carne”; o que significa que no Carnaval o consumo de carne era considerado lícito pela última vez antes dos dias de jejum quaresmal. Outros estudiosos recorrem à expressão “carnem levare”, suspender ou retirar a carne.

        Alguns etimologistas explicam as origens pagãs do Carnaval: entre os gregos e romanos costumava-se fazer um cortejo com uma nave, dedicado ao deus Dionísio ou Baco, o deus do vinho, festa que chamavam em latim de “currus navalis” (nave carruagem), de donde teria vindo a forma Carnavale. Não é fácil saber a real origem do nome.

        sede_santosOutras festas semelhantes aconteciam na entrada do novo ano civil (mês de janeiro) ou pela aproximação da primavera, na despedida do inverno. Eram festas religiosas, dentro da concepção pagã e da mitologia. Por exemplo, para exprimir o cancelamento das culpas passadas, encenava-se a morte de um boneco que, depois de haver feito seu testamento era queimado ou destruído. Em alguns lugares havia a confissão pública dos vícios, o que muitas vezes se tornava algo teatral, como por exemplo, o cômico Arlequim que, antes de ser entregue à morte confessava os seus pecados e os dos outros.

        Tudo isso era feito com o uso de máscaras, fantasias, cortejos, peças de teatro, etc. As religiões ditas “de mistérios” provenientes do Oriente e muito difusas no Império Romano, concorreram para essas festividades carnavalescas. Estas tomaram o nome de “pompas bacanais” ou “saturnais” ou “lupercais”. Como essas festas perturbavam a ordem pública, o Senado Romano, no séc. II a.C., resolveu combater os bacanais e seus adeptos, acusados de graves ofensas contra a moralidade e contra o Estado.

        Essas festividades populares podiam acontecer no dia 25 de dezembro (dia em que os pagãos celebravam Mitra (ou o Sol Invicto) ou o dia 1º de janeiro (começo do novo ano), ou outras datas religiosas pagãs.

        Leia também: Carnaval

        O carnaval santificado e as divinas beneficências

        Carnaval e Quaresma

        A alegria Cristã

        Quando o Cristianismo surgiu encontrou esses costumes pagãos. Os missionários procuraram então cristianizar esses costumes, como ensinava São Gregório Magno, no sentido de substituir essas práticas supersticiosas e mitológicas por outras cristãs (Natal, Epifania do Senhor ou a Purificação de Maria, dita “Festa da Candelária”, em vez dos mitos pagãos celebrados a 25 de dezembro, 6 de janeiro ou 2 de fevereiro). Por fim essas festividades pagãs do Carnaval ficaram apenas nos três dias que precedem a Quarta-feira de Cinzas.

        A Igreja procurou também incentivar os Retiros espirituais e a “Adoração das Quarenta Horas” nos dias anteriores à Quarta-feira de cinzas. Hoje, graças a Deus, temos em todo o nosso país Encontros e Aprofundamentos religiosos.

        Ouça também: De onde veio o carnaval? Como o cristão deve viver este período?

        Infelizmente o Carnaval, sobretudo no Brasil, “descambou” para a dissolução dos costumes; nos bailes e nas Escolas de Samba predominam o nudismo e toda espécie de erotismo. Esquece-se que os Mandamentos são a via da libertação e que o pecado é a escravidão da pessoa: “Não pecar contra a castidade” e “Não desejar a mulher do próximo” (cf. Ex 20,2-17; Dt 5,6-21).

        É triste observar que o próprio Governo estimula esse desregramento com uma ampla distribuição de “camisinhas”, para que os foliões pequem à vontade sem perigo de contaminação. O Papa João Paulo II assim se expressou sobre a camisinha: “Além de que o uso de preservativos não é 100% seguro, liberar o seu uso convida a um comportamento sexual incompatível com a dignidade humana […]. O uso da chamada camisinha acaba estimulando, queiramos ou não, uma prática desenfreada do sexo […] O preservativo oferece uma falsa ideia de segurança e não preserva o fundamental” (PR, nº 429/1998, p. 80).

        Assista também: O Católico pode “pular” carnaval?

        Nesta época vale recordar o que disse São Paulo: “Nem os impudicos, nem idólatras, nem adúlteros, nem depravados, nem de costumes infames, nem ladrões, nem cobiçosos, como também beberrões, difamadores ou gananciosos terão por herança o Reino de Deus (l Cor 6,9; Rm 1, 24-27)”. O Apóstolo condena também a prostituição (1 Cor 6,13s, 10,8; 2 Cor 12,21; Cl 3,5) e as paixões da carne tão vividas no Carnaval.

        em_busca_da_perfeicaoO sexo foi feito para o matrimônio e o matrimônio foi elevado à sua dignidade por Cristo (Mt 5,32). Jesus proclamou: “Bem-aventurados os puros, porque eles verão a Deus”. Disse São Paulo: “A mulher não pode dispor do seu corpo: ele pertence ao seu marido. E também o marido não pode dispor do seu corpo: ele pertence à sua esposa” (1 Cor 7,4). As consequências do sexo vivido fora do casamento são terríveis: famílias destruídas; pais e mães (jovens) solteiros; filhos muitas vezes abandonados, ou em orfanatos, e hoje muitas crianças “órfãs de pais vivos”, como disse João Paulo II.

        Por tudo isso o cristão deve aproveitar esses dias de folga para descansar, rezar, estar com a família e se preparar para o início da Quaresma na Quarta-feira de Cinzas. O cristão não precisa dessa alegria falsa das festas carnavalescas; pois o prazer é satisfação do corpo, mas a verdadeira alegria é a satisfação da alma, e esta é espiritual.

        Prof. Felipe Aquino

  • Graycee
    Responder
    Posted at 16:22, 9 de março de 2011

    O Felipe está certo. É preciso muita informação sobre um assunto para postá – lo e fazer isso com o único objetivo de informar e não para protestar qualquer igreja, pois isso nd mais foi do que um crítica barata à Igreja Católica. Dessa forma empobreceu o assunto no que se refere ao aspecto cultural e tradicional do carnaval.

  • karine
    Responder
    Posted at 22:24, 8 de abril de 2011

    eu não gostei nada disso pois sou EVANGELICA

  • karine
    Responder
    Posted at 22:30, 8 de abril de 2011

    voces deveriam fala sobre jesus é mais inportamte

  • jonas
    Responder
    Posted at 14:32, 29 de dezembro de 2011

    tudo nao passa de lavagem cerebral, para os idiotas!!!

  • João Ricardo
    Responder
    Posted at 21:23, 6 de fevereiro de 2012

    Se vocês acham o carnaval uma festa cultural, então está na cara que nossa cultura é pura pornografia, bebedice, traição, imoralidade, ódio, vício, violencia, pois é isso e muito mais que impera nesse meio. Se você acha que Deus habita nele então permaneça participando dessa “cultura carnavalesca”. Na minha opinião tenho certeza que Deus não participa desse ato pecaminoso.

    Porque do céu se manifesta a ira de Deus sobre toda a impiedade e injustiça dos homens, que detêm a verdade em injustiça.

    Porquanto o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou.

    Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis;

    Porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu.

    Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos.

    E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis.

    Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si;

    Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém.

    Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza.

    E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro.

    E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm;

    Estando cheios de toda a iniqüidade, prostituição, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade;

    Sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães;

    Néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia;

    Os quais, conhecendo a justiça de Deus (que são dignos de morte os que tais coisas praticam), não somente as fazem, mas também consentem aos que as fazem.
    Romanos 1:18-32

  • Posted at 20:35, 13 de fevereiro de 2012

    nao gostei nada disso sou evangelico

  • ADRIANO
    Responder
    Posted at 12:17, 19 de fevereiro de 2012

    Ricardo, adorei sua esplanação sobre esse tema tão importante que é, o tão comentado carnaval.Respeito as opniões dos colegas,mas não concordo.Para que exemplo maior do que os índideces de acidentes,mortes,separações de casais,prostituição,jovens drogados e outas coisas mais que só contribuem para acabar com um dos maiores, se não o maior dos valores que se chama FAMILIA. Então diante de tantos fatores nagativos que essa festa proporciona,na minha humilde opnião deveriamos gastar esse valoroso tempo refletido sobre nossos atos,e principalmente tentado através de DEUS resgatar este valor importante na vida de todos,que é a FAMILIA.

  • Santos
    Responder
    Posted at 17:55, 23 de fevereiro de 2012

    Deus criou o seu e terra, e também deixo a sua palavra escrita na biblia, nela estar escrito o bem e o mau voce escolhe

Post a Comment

Comment
Name
Email
Website

0 Flares Facebook 0 Google+ 0 Twitter 0 Email -- 0 Flares ×